O poder de perguntar

Você não sabe nada do meu negócio. Por que acha que pode me ajudar?

Quando um coach começa seu trabalho, é frequente que esse questionamento surja na cabeça do coachee. Afinal, a expertise do coach é perguntar. Coach que sabe tudo sobre tudo não é coach: é mentor, consultor. Não será o coach quem irá definir o que fazer, ou achar a solução para um problema.

Coach bom mesmo é aquele que age como uma “ferramenta” para o outro, permitindo que daquela experiência surjam insights e novas formas de ação. Ouvir é fundamental nesse processo, assim como ajudar o coachee a manter o foco no problema em questão. É por isso que costumo ver o coaching como uma parceria entre duas ou mais pessoas para o alcance de uma meta individual ou coletiva.

Uma das habilidades que todo bom coach deve ter é a capacidade de perguntar descobrindo. A formulação de perguntas poderosas é uma boa parte do caminho a ser trilhado, porque quando alguém é indagado sobre algo “que faz sentido”, consegue estabelecer conexões intuitivas e se aprofundar na busca por alternativas.

Ao perguntar, o coach deve optar por questões abertas, que possam levar o coachee a refletir sobre o tema em análise. A identificação de crenças “cegas”, impressões e senso comum deve ser estimulada pelo profissional para que o problema possa de fato ser devidamente compreendido. Invista tempo no entendimento da situação, superando a superficialidade do que é aparente.

Outro exercício enriquecedor no processo de coaching e que pode ser aproveitado no mundo profissional é a visão sobre as vantagens e desvantagens de uma possível decisão. O exercício de analisar prós e contras ajuda a definir mais efetivamente o potencial e os riscos envolvidos nos processos de mudança ou revisão de um tema específico.

E se preocupe em realmente ouvir, em silêncio. É valoroso. Os momentos em que ouvimos, e damos espaço ao outro para poder refletir, pensar e intuir, são extremamente ricos em aprendizado – para ambos os lados. E, assim, o coach pode começar o processo sabendo nada, ou pouco do seu negócio, mas ao terminar, a troca de experiências terá sido enriquecedora para todos os envolvidos.

* Giovanna Caseli é coach executiva, pessoal e de carreira. Focada em conectar membros de famílias empreendedoras.